preloder
contato@flaviabiaexpediciones.com     +56 9 4251 7683

Museu do Meteorito é opção para quem quer saber mais sobre mistérios do universo

Com áudios em português, é possível conhecer histórias de meteoros e interagir com eles

“Se já contempla as estrelas, agora poderá tocá-las”, convida o Museu do Meteorito, em seu site. Localizado a poucas quadras da praça principal de San Pedro de Atacama, Chile, o espaço proporciona que você saiba mais da história dos meteoros, toque-os e teste seu magnetismo. Ao chegar, recebe um aparelho de audioguia para percorrer o local com informações preciosas. É possível ouvir os áudios em português, espanhol, inglês, francês ou alemão.

Num espaço que se assemelha a uma oca, está exibida a memória do sistema solar narrada pelos personagens que participaram dessa formação: os meteoritos. O museu possui uma das maiores coleções de meteoritos do mundo, todos caídos no deserto do Atacama. São 3.200 peças, das quais as 77 mais relevantes estão em exibição. O acervo é resultado do esforço de dois irmãos, que por mais de 30 anos buscaram impactos siderais no deserto. Hoje, os materiais têm respaldo científico da Nasa (agência espacial norte-americana), Universidade da Califórnia e Universidade de Marsella.

O acervo são rochas formadas no sistema solar, pedaços de nebulosas e parte de planetas destruídos. A maior parte foram formados entre Marte e Júpiter. Os meteoros chegam à Terra a 13 mil quilômetros por hora e formam efeito de luminosa, com uma temperatura de 2 mil graus celsius. Ao entrar na órbita do nosso planeta, se despedaçam. Isso é mais comum do que pensamos: ocorre diariamente. Foi um grande meteoro que há 85 milhões de anos causou a extinção dos dinossauros e de 70% da vida no planeta.

Das peças expostas, além de pedras perfeitas, há uma meteorito com um manto dourado, que parece uma colmeia encontrado em 1822 em Peine, um povoado próximo a San Pedro. Outro meteoro carrega fungos verdes, pois caiu em uma zona costeira e com humidade e cristais  geraram um efeito diferente.

Você vai poder conectar, tocar e sentir o magnetismo das legítimas rochas siderais, desde os “embriões planetários” que são os primeiros corpos solidificados na nebulosa de poeira e gás que originou o nosso sistema solar. Também vai ser remetido ao início da vida, por meio de meteoritos que trazem complexos componentes orgânicos. São sementes de vida dispersas pelo cosmos. O tour finaliza na área sensorial com guia personalizado, em inglês e espanhol. Nesse momento, é possível tocar nos meteoritos e também sentir o magnetismo com imãs, que vai te ajudar a diferenciá-los das rochas normais, convertendo-se em um caçador de meteoros.

Aberto desde 2012, o museu considera que cada meteoro encontrado é uma página do livro que relata a história do nosso sistema solar, que tem preservado intacta a composição química desde sua criação há 4.500 milhões de anos até os nossos dias, mostrando o surpreendente caminho de evolução. Alguns dos meteoros expostos foram encontrados no cratera de Monturaqui, na região do Atacama, e que pode ser visitada com reservas feitas com a equipe do museu.

SERVIÇO:

Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 13h e das 15h às 19h.

Preço: $ 3.500 (pesos chilenos)/$ 2.500 crianças, estudantes e professores.

Tempo da visita: 45 minutos

Localização: Rua Tocopilla 101 (esquina com Rua Licancabur), San Pedro de Atacama

Mais informações: www.museodelmeteorito.cl

Piedras Rojas e Lagunas Altiplânicas: o passeio imperdível no Atacama

 

Comente